badge

30 junho 2008

Amy Winehouse a mostrar quanto vale....


Num vídeo que junta a interpretação de "Mr. Jones" e "Rehab", é possível ver Amy Winehouse a dar umas quantas cotoveladas num alvo não identificado (sensivelmente ao minuto 4.25).
Segundo a organização do festival, Amy Winehouse estava apenas a defender-se, depois de um espectador mais atrevido ter tentado tocar nos seus seios.

Amy a mostrar que de frágil fica só mesmo a sua imagem, está de volta a voz e o estilo e humor que lhe é tão característico - e que seja mesmo para ficar !

Fim do Ciclo de Cinema da Guerra Civil Espanhola


Dia 3 de Julho
Quinta-feira
21h30m
Academia Problemática e Obscura
(Rua Deputado Henrique Cardoso 3o/34 - Setúbal)


Projecção do documentário Spanish Earth, por Joris Ivens em 1937, com a voz off de Ernest Hemingway, filmado em plena Guerra Civil, mostra o dia a dia das gentes e a sua luta pela sobrevivência e pelos seus ideais. Duração de 52 minutos, p/b.
Nota: falado em Inglês e legendado em Castelhano

Setúbal e a Guerra Civil Espanhola
Apresentação de Álvaro Arranja,
com imagens de jornais da época.

Álvaro Arranja é licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa. Tem publicado diversos trabalhos sobre história contemporânea portuguesa e sobre história local.

Após o início da Guerra Civil espanhola, cedo a Ditadura portuguesa e os sectores sociais que a apoiam, compreendem que a sua sorte se joga em Espanha. A vitória de Franco consolidaria Salazar, enquanto um sucesso republicano daria uma ajuda decisiva à oposição portuguesa. Em Setúbal, como noutras localidades, os apoiantes da Ditadura organizam o auxílio ao exército de Franco que de Sevilha tinha subido até Badajoz (onde cometeu um dos maiores massacres da Guerra Civil) e agora se preparava para seguir na direcção de Madrid. Através da imprensa da época em Setúbal, vemos como os mais importantes industriais das conservas formam colunas automóveis levando conservas de peixe (a ração de combate perfeita) e outros abastecimentos até Espanha, com o objectivo de apoiar o “seu” exército franquista. A não-intervenção da Ditadura portuguesa é apenas uma fachada, como se vê ainda melhor na imprensa local do que na imprensa de Lisboa (mais controlada pela censura). Álvaro Arranja

Esquerda e cultura: o futuro já não é o que era


4 e 5 Julho 2008 :: Lisboa, Fábrica Braço de Prata
ENTRADA LIVRE até às 22:00
Jantares sujeitos a inscrição

Concertos – Teatro – Gastronomia – Conferências – Exposições


Exposições
Migrações e Identidades
Fotografias da série Luso-Tropicália de Tatiana Macedo
Just do it e Freedom, instalações de Mónica de Miranda
Outros-realismos
Moscovo-Bucareste-Moscovo, pintura de Margarida Dias Coelho
Mulheres de Maria Lamas, pintura de Miguel Mira

Programa de Sexta-feira

18:00 - 20:00 Colóquio
Abertura do encontro por Francis Wurtz, presidente do GUE/NGL
Políticas culturais na Europa de hoje
António Pinto Ribeiro, ensaísta e programador cultural
João Fernandes, programador cultural
Luciana Castelina, italiana, ex- presidente da Comissão da Cultura e Educação do Parlamento Europeu
Com tradução simultânea

20:00 - 20:30 Circo: Performance circense pelo grupo ADN
A ocorrer às 20:00 e às 22:00 na sexta e no sábado

20:30 - 23:30 Conversas com paladar
Inscrições para jantar limitadas a 80 pessoas
Culturas do Mediterrâneo
O jantar de sexta-feira será de comida sírio-libanesa, em que o “chefe” é Rudolf El Kareh, sociólogo libanês, autor, entre outros, de um livro sobre comida sírio-libanesa. A partir do café, ele próprio e Cláudio Torres, arqueólogo e historiador, orientarão uma conversa sobre culturas, tradições e cosmopolitismo.

22:30 - 24:00 Ateliers da política
Contaminações
A revista Vírus convida outras revistas do pensamento crítico para um debate dinamizado por João Teixeira Lopes, sociólogo, director da revista

22:30 - 23:30 Monólogos fantásticos
Ensaio, peça sobre fotografia e violência a partir de textos de Susan Sontag, por Vítor Hugo Pontes

00:00 - 01:00 Músicas da noite
Grândolas, concerto para dois pianos
Mário Laginha e Bernardo Sassetti

Programa de Sábado

15:30 - 17:30 Colóquio
Introdução por Miguel Portas, eurodeputado do Bloco de Esquerda no GUE/NGL
Esquerda: uma política para o “gosto”?
António Guerreiro, ensaísta e jornalista cultural
Manuel Gusmão, poeta, ensaísta e professor de Literatura portuguesa, Literatura francesa e Teoria da Literatura na Faculdade de Letras de Lisboa
Manuela Ribeiro Sanches, investigadora do Centro de Estudos Comparados da Universidade de Lisboa, com vasta obra publicada sobre questões de identidade na era pós-colonial

17:30 - 20:00 Ateliers da política
Ensino artístico, “entrada” na profissionalização
e precariedade
Este atelier tem por objectivo recensear, a partir de diferentes experiências, como se pode responder ao aumento da precariedade nos meios artísticos e como conceber, hoje, o ensino artístico. Participam docentes de várias escolas e representantes dos movimentos anti-precariedade ligados à criação cultural.
O novo e o velho em matéria de descentralização cultural
Centros e projectos culturais associam-se em rede para potenciarem programações fora dos grandes centros urbanos. Que políticas deve a esquerda defender para que a oferta cultural coloque no mapa os territórios sob pressão do despovoamento? Participam responsáveis por equipamentos, centros culturais e festivais.

18:30 - 20:30 Conversas de café
A propriedade intelectual na era digital
Daniel Oliveira, jornalista e blogger
David Ferreira, produtor discográfico
João Teixeira Lopes, sociólogo, ex-deputado do Bloco de Esquerda e professor na Faculdade de Letras da Universidade do Porto

20:30 - 23:30 Conversas com paladar
Inscrições para jantar limitadas a 80 pessoas
Culturas locais
André Bica é o chefe do jantar de sábado, com queijo da serra e vitela de Lafões. Ao café, a conversa incidirá sobre as identidades locais, a certificação e as regula-mentações europeias, com Paulo Madanelo da Associação de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela e Jacob Johnsson, deputado sueco, defensor das regras de protecção mais elevadas.

22:30 - 23:30 Monólogos fantásticos
Ela uma vez, por Cláudia Andrade, sobre textos de sete poetisas lusófonas (Adélia Prado, Adília Lopes, Ana Haterly, Ana Luísa Amaral, Elisa Lucinda, Marina Colasanti e Natália Correia)

00:00 - 01:00 Fado
Hélder Moutinho e convidados

00:00 - 01:30 Músicas da noite
Incógnita alquimia, novo folk português
Dazkarieh

27 junho 2008

Israel colorida a favor de todas as formas de amar


Bandeiras, penachos e até "kippas" nas cores do arco-íris - as ruas pedonais de Jerusalém ocidental luziram ontem nas cores da VII Gay Pride na Cidade Santa com duas mil pessoas e uma boa escolta, num ambiente festivo.
Polícias a cavalo, ou em posição nos telhados e varandas, canhões de água, helicópteros e dirigível de observação: a imponente segurança ao redor da manifestação da comunidade homossexual foi confiada a dois mil homens, tantos quantos os participantes.
Durante as anteriores edições, ocorreram incidentes violentos com a comunidade judia ortodoxa. Em 2005, um judeu ortodoxo esfaqueou três participantes no "Orgulho Gay", um dos quais ferido com gravidade, e foi condenado a 12 anos de prisão.

Haïm Oron, chefe do partido laico de esquerda Meretz, esteve presente:
"Vim apoiar os manifestantes e identificar-me com os seus objectivos: a sua luta não diz respeito apenas à comunidade gay mas a toda a sociedade pluralista de Israel".

"Queremos desfilar para protestar contra a violência e a discriminação, exclama, com a voz rouca, um travesti, vestido cinzento pérola e saltos altos.
É o sinal de partida da "Gay Pride".
"Não ao racismo e à violência, sim à igualdade dos direitos", gritam os manifestantes que agitam bandeiras e estandartes multicolores.

Convicções para comemorar 1 ano da aplicação da lei


É com muito prazer que vos convidamos para a sessão-debate que a Associação Médicos Pela Escolha organiza em parceria com a Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema.

Será dia 2 de Julho de 2008, às 21h30, na Cinemateca (sala Félix Ribeiro), em Lisboa.

Projecção do filme Convicções de Julie Frères
Portugal/França, 2007, 55'
Filmes do Tejo, Les Films de l'Après Midi e Tribu Films.

O documentário Convicções de Julie Freres segue de perto - nos bastidores, na rua e nos media - a campanha do Referendo para a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez (fim de 2006/início de 2007)), através do quotidiano de quatro mulheres - duas que fizeram campanha pelo Não e duas que fizeram campanha pelo Sim. Estas últimas são Maria José Alves e Cecília Vieira Costa, ambas "médicas pela escolha".
Trata-se de um documentário que passou pela primeira vez em Portugal no Festival DOC LISBOA 2007, tendo recebido o prémio Menção Especial para melhor filme português, do Júri da Competição Nacional.
A realizadora Julie Frères estará presente na sessão.

seguido de:

Debate "O que se ganhou com a lei 16/2007, que despenalizou a interrupção voluntária de gravidez, até às 10 semanas, por opção da mulher ?"
No dia 15 de Junho de 2008 comemorou-se um ano do início da aplicação da lei 16/2007 que despenalizou a interrupção voluntária de gravidez, até às 10 semanas, por opção da mulher.
Para assinalar a data a Associação Médicos Pela Escolha e a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema organizam uma sessão com o filme Convicções, de Julie Frères (21h30), seguido do debate "O que se ganhou com a lei que despenalizou a interrupção voluntária de gravidez?" (22h30).


O debate contará com as presenças de:

Ana Sousa Dias – Jornalista (moderadora)
Ana Campos – Médica Ginecologista/Obstetra
Teresa Laginha – Médica Medicina Geral e Familiar
Sónia Ventura – Psicóloga, Associação para o Planeamento da Família


Haverá ainda um vídeo com depoimentos de José Manuel Cunha, médico de medicina geral de familiar do Centro de Saúde de Viana do Castelo. Este centro de saúde foi pioneiro a fazer interrupções de gravidez.
Depois das intervenções das convidadas o debate será aberto ao público. Contamos com a vossa presença!

Os Médicos Pela escolha têm vários convites para oferecer. Se estiver interessado por favor envie um email com o seu nome para www.medicospelaescolha.pt até dia 30 de Junho 2008.

26 junho 2008

Desconcertação Social

Negócio Imobiliário ou Mobiliário ?


O primeiro arranha-céus com andares rotativos do mundo está a ser construído no Dubai.
Cada apartamento rodará 360º, impulsionado por 79 turbinas de vento localizadas entre cada andar.
Os apartamentos, que demorarão entre uma e três horas para efectuar uma rotação completa, custarão entre 3,7 e 36 milhões de dólares. Com um custo total estimado de 700 milhões de dólares o arranha-céus começará a andar às voltas em 2010.

25 junho 2008

Anda, vem marchar ! Não fiques em casa esta causa também é tua !



Pela Igualdade de Direitos e contra a Invisibilidade e a Discriminação

A Marcha LGBT é de, e para TOD@S

Dia 28 Junho - 16h00 - Princípe Real - Lisboa

Aparece!


http://www.marchalgbt2008.blogspot.com/

22 junho 2008

Manobras na Casa Branca !

21 junho 2008

So...this is goodbye !


Foto: Pedro Ferreira

20 junho 2008

Hoje à noite: Robalinho em acção no Contagiarte

19 junho 2008

Ciclo de Cinema sobre a Guerra Civil de Espanha


Dia 19, às 21:30 horas – Ciclo de Cinema sobre a Guerra Civil de Espanha, passagem do filme, Libertárias, realizado por Vicente Aranda de 1996.

Sinopse: Em Julho de 1936 o exército espanhol amotina-se contra o governo da república. Desencadeia-se um grande movimento revolucionário contra os golpistas militares. A população mobiliza-se com a CNT à frente. Um grupo de mulheres oferece-se para avançar para a frente, e reivindicam um posto igual ao dos homens.

Academia Problemática e Obscura
Rua Deputado Henrique Cardoso, 30-34, Setúbal

17 junho 2008

Download Day - Firefox 3


Hoje, para assinalar o lançamento do Firefox 3.0, utilizadores de todo o mundo irão descarregar o programa para tentar bater o recorde do software mais descarregado da net em 24 horas. Em Portugal existem neste momento cerca de 14.000 utilizadores registados. Quem se quiser juntar à iniciativa pode registar-se neste site e efectuar o download.

15 junho 2008

14 junho 2008

Quantos mais europeus vão ter que dizer NÃO para eles perceberem ?


Após a contagem oficial de 864.000 boletins de voto, o "não" vencia com 53,85% contra 46,15%, cai assim o Tratado de Lisboa.
A abstenção esteve acima dos 50%, com maior participação nas cidades do que nas zonas rurais.
O tratado reformador tem de ser ratificado por todos os 27 Estados membros. A Irlanda foi o único país que optou pelo referendo.

Resta saber o que vão preparar os senhores da Europa a seguir. Será que conseguem perceber que os NÃOS se irão repetir até as decisões serem verdadeiramente democráticas !

13 junho 2008

Hoje é o dia... tudo pode acontecer.... HAHAHAHA ou não !


O treze (13) é o número natural que segue o doze e precede o catorze.
O 13 é o sexto número primo, depois do 11 e antes do 17.
O 13 é o sétimo número de Fibonacci, depois do 8 e antes do 21 e por supertição, é um número atribuído ao azar em muitas culturas e em atenção a essa tradição é costume em alguns países não haver andares com o número 13 nos prédios. Nas corridas de Fórmula 1 geralmente não existe o carro de número 13. No entanto o número treze por estar presente nos dias é muito explorado pela astrologia ( D. João VI nasceu num dia treze de maio e nossa senhora de fatima também ) em algumas datas históricas como a lei áurea e embora oculto na astronomia é muitas vezes parte integrante de alguns símbolos .

Uma Sexta Feira 13 ou seja, uma Sexta-feira no dia 13 de qualquer mês, é considerada popularmente como um dia de azar.
Esta superstição pode ter tido origem no dia 13 de Outubro de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França; os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados por heresia.
Outra possibilidade para esta crença está no fato de que Jesus Cristo provavelmente foi morto numa sexta-feira treze, uma vez que a Páscoa judaica é celebrada no dia 14 do mês de Nissan, no calendário hebraico.
Recorde-se ainda que na Santa Ceia sentaram-se à mesa treze pessoas, sendo que duas delas, Jesus e Judas Iscariotes, morreram em seguida, por mortes trágicas, Jesus por execução na cruz e Judas provavelmente por suicídio. Antes disso, porém, existem versões que provêm de duas lendas da mitologia nórdica. Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Daí veio a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça na certa.
Segundo outra história, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem a frigadag, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas com outras 11 bruxas e o demónio. Os 13 ficavam rogando pragas aos humanos.

Triscaidecafobia é um medo irracional e incomum do número 13. O medo específico da sexta-feira 13 (fobia) é chamado de Paraskavedekatriaphobia ou parascavedecatriafobia, ou ainda frigatriscaidecafobia.

12 junho 2008

Movidos a vontade de vencer... à falta de gasolina lá terá que ser !


Há uma crise !
Os preços da gasolina que sofrem aumentos totalmente despropositados e frutos de pura especulação tem feito surgir vários focos de luta. Entretanto com a paralisação dos camionistas os bens começaram a escassear por todo o país. Pelo meio, em intervalos de realidade, tudo é esquecido. Os portugueses unem-se e todos são um (obviamente este todos não são todos nem todas como a comunicação social quer fazer crer !).... pois sim o futebol!
Só é pena que o país não possa ser movido a vontade de vencer... nem os carros, nem as ambulâncias, nem os camiões... só é pena que os nossos salários não cresçam com a vontade de vencer e que os nossos direitos sociais não aumentam e se consolidem com essa tal vontade de vencer.
Até lá ficarão mais uns intervalos na realidade.

A vida é simples... as imagens dão-lhe cor !

Hoje à tarde... na Feira do Livro

... logo à noite numa qualquer festa popular....

e amanhã o dia todo parece que é dedicado a este tipo !

11 junho 2008

Vida e quotidiano em resumo directo


Ciclo da vida explicado a quem ainda não tinha percebido !

10 junho 2008

Este senhor é racista ! ou a história de um Presidente que cheira a mofo...


Em Viana do Castelo, que recebe este ano as comemorações oficiais do 10 de Junho, Cavaco Silva garantia estar par da situação, alegando não querer acrescentar qualquer outra reacção por estar a presidir ao “dia da raça”.

“Hoje eu tenho que sublinhar, acima de tudo, a raça, o dia da raça, o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”, declarou, citado pela Lusa, numa insólita confusão entre a designação actual e a que era adoptada pelo anterior regime.

09 junho 2008

FRACTURANTE É A DISCRIMINAÇÃO



28 Junho
9ª Marcha LGBT Lisboa


MANIFESTO
O orgulho LGBT (Lésbico, Gay, Bissexual ou Transgénero) existe por contraponto à vergonha que o preconceito e a discriminação tentam impor-nos. Temos orgulho porque, por entre o insulto, fomos capazes de descobrir a nossa identidade e temos orgulho porque somos capazes de a afirmar contra os armários do silêncio, do medo e da invisibilidade. Porque a rua é o palco de todas as lutas e da celebração da diversidade e da visibilidade dos nossos amores, queremos mostrar que a orientação sexual e a identidade de género não nos diminuem nem nos tornam melhores seres humanos.
E estamos orgulhosamente acompanhad@s por todas as pessoas que se preocupam com os direitos humanos e que lutam contra a discriminação sexista, homofóbica, transfóbica, ou racista e xenófoba, que limitam a nossa democracia.
É que o direito à cidadania plena independentemente da orientação sexual e da identidade de género não é uma “questão fracturante”. “Fracturante” é a discriminação na lei e na sociedade que remete as pessoas LGBT para uma cidadania de segunda.
Queremos uma sociedade que reconheça a diversidade de modelos familiares com iguais oportunidades perante a lei. Porque a família é uma escolha livre dos indivíduos, lugar para a partilha de afectos e de vidas em comum e porque o Estado não pode privilegiar nenhum modelo em detrimento de todos os outros.
Por isso exigimos que se cumpra a Constituição no seu 13º Artigo e que o casamento civil deixe de ser uma possibilidade exclusiva para “pessoas de sexo diferente”, que a possibilidade de adopção e acolhimento de crianças seja alargada para todas as pessoas e casais com condições materiais e afectivas para delas cuidar, que a inseminação artificial possa ser uma possibilidade para todas as mulheres que a desejem, independentemente da sua orientação sexual e de viverem ou não uma relação de casal. Porque as nossas famílias já existem e nada justifica que continuem fora da lei.
“Fracturante” é por isso a actual discriminação na lei que recusa o igual reconhecimento das relações e projectos familiares das pessoas LGBT.
Exigimos que sejam tomadas medidas legislativas que combatam eficazmente a desigualdade de género que persiste e, inclusive, se agrava no nosso país. Que as mulheres possam ter acesso, em condições de igualdade, ao trabalho e ao espaço público. Que a violência e a discriminação de género sejam erradicadas definitivamente.
Exigimos ainda que a identidade de género seja contemplada no Principio da Igualdade constitucional, que se tomem iniciativas legais que reconheçam a autodeterminação das pessoas transsexuais e transgénero, que facilitem os processos de adaptação do nome e do sexo nos documentos de identificação, que agilizem os procedimentos médicos de adaptação do corpo.
“Fracturante” é a actual lacuna legal que obriga as pessoas transsexuais e transgénero a viver um longo processo médico e judicial, que perpetua a discórdia entre a aparência e os documentos, causando várias discriminações no acesso à educação, ao trabalho, e à saúde.
Não esquecemos que o Estado tem responsabilidades particulares no perpetuar da discriminação. Como por exemplo, através do Instituto Português de Sangue ao recusar as dádivas de homens que tiveram sexo com homens, com o preconceito a sobrepor-se a qualquer critério objectivo e a colocar mesmo em risco – para toda e qualquer pessoa que necessite de uma transfusão – uma triagem correcta da qualidade do sangue.
É fundamental apostar na prevenção activa do preconceito, com políticas que promovam a igualdade de género e combatam a discriminação e a violência em todas as suas formas.
É, pois, imperativo que agentes do Estado – de sectores fundamentais como a saúde, a educação, a justiça ou a segurança – recebam formação específica para que tenhamos uma sociedade plural e laica, que saiba viver em diversidade e que saiba combater as fracturas geradas pela discriminação.
Temos todos o direito, e @s jovens em particular, a uma educação abrangente, inclusiva e realista. Uma educação em que finalmente se concretize a educação sexual e para a cidadania, suportada em conhecimentos científicos rigorosos. Uma educação estruturada de modo não heterossexista e que aborde as orientações sexuais e as identidades de género, possibilitando a prevenção das diversas discriminações a que somos sujeit@s no nosso quotidiano público e privado.
Somos pessoas de muitas origens, convicções e diferentes saberes, mas hoje estamos juntas na rua com a cara levantada e a certeza de que o futuro só depende daquilo que soubermos fazer dele.

07 junho 2008

A febre começa hoje num país perto de si...


Como sempre acontece no futebol de selecções, os jogos e as equipas ganham significados que ultrapassam em muito a dimensão desportiva, e o caso português apresenta características próprias.
O futebol é poderoso porque é quase sempre vivido na escala dos sentimentos e das emoções. Para os adeptos lusos, os resultados obtidos no Euro-2004 e no Mundial-2006 e a excelência de diversos jogadores da Selecção Nacional, obrigam a equipa a provar de uma vez por todas que “um país pequeno pode ser grande”. Um crónico desígnio nacional, entre memórias das caravelas passadas e o receio de confirmação futura de uma posição europeia periférica cada vez mais irreversível.
João Nuno Coelho - FOOTBALL IDEAS

Sem Medos contra a homo-transfobia !!!


O Bloco de Esquerda tem o prazer de o/a convidar a estar presente no Fórum SEM MEDOS, que se realizará em Lisboa no dia 14 de Junho de 2008, próximo sábado, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova.

O Fórum SEM MEDOS é o culminar das Jornadas contra a homofobia que percorrem o país desde o início de Maio. O Fórum, de entrada livre, realiza-se em Lisboa e é um encontro internacional para discutir a diversidade sexual, os direitos humanos de gays, lésbicas, bissexuais e transgéneros e a democracia.
Com debates temáticos sobre educação sexual, discriminação e combate social, direitos familiares e sobre transexualidade, o Fórum juntará investigadores e activistas de diversas opiniões, proveniências e lutas.
O programa detalhado do Fórum segue abaixo.

PROGRAMA Fórum SEM MEDOS

10h Abertura

Bruno Maia (Bloco de Esquerda), Deborah Lambillote (ILGA Europa), Louis-George Tin (promotor internacional do Dia contra Homofobia)

11h30 - 13h00 Mesas redondas em simultâneo:

:: Direitos familiares
Miguel Vale de Almeida (antropólogo), João Mouta (associação Pais para Sempre), Fabíola Cardoso (activista Clube Safo)

:: Educação Sexual
Gabriela Moita (psicóloga), Rita Paulos (activista da rede ex aequo)

15h - 16h30 Mesas redondas em simultâneo:

:: Transexualidade e Trangenderismo
Jó Bernardo (activista trans)

:: Discriminação e combate social
Sérgio Vitorino (activista LGBT), Ana Cristina Santos (investigadora), António Fernando Cascais (investigador, FCSH)

17h30 Encerramento

Casten Schatz (grupo Queer do PEE), Solange F. (apresentadora TV), José Soeiro (deputado Bloco) e Francisco Louçã (dirigente Bloco)

06 junho 2008

Ora portanto... é fazer as contas !


O primeiro-ministro, José Sócrates, admitiu hoje que não se impressiona com os números da manifestação da CGTP, em Lisboa, contra as alterações ao Código do Trabalho, por discordar dos argumentos.
"Não me impressionam os números. O que me impressiona são os argumentos", afirmou José Sócrates, no final do debate da moção de censura do CDS-PP ao Governo, no Parlamento, confrontado com as notícias de que a manifestação juntara cerca de 200 mil pessoas, em Lisboa.

Pois então os números que não mentem para umas coisas, não impressionam para outras:
- 3 moções de censura
- 200 mil pessoas na rua a manifestarem-se numa 5ª feira (não há pontes, não há feriados, não há fim-de-semana....)
- A maior manif depois do 25 de Abril com os professores
.... e po aí fora, que o filme já toda a gente conhece !

Pelas noticias vão ficando os restos destas lutas dos últimos dias e com a revisão ao Pacote Laboral a ser preparada em paralelo ao Euro 2008 as dúvidas que vão ficando é mesmo o que almoçaram os jogadores da Selecção e qual vai ser o 11 inicial !!!

Os livros pela cidade - do Parque ao Rato


um projecto novo que vale a pena espreitar...

05 junho 2008

A Justiça até pode ter os olhos tapados mas não é cega de todo


É de realçar a frontalidade de Mariano Gago ao pronunciar-se contra as praxes nas universidades e politécnicos.

«O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior prometeu ontem denunciar ao Ministério Público "todos os casos" de praxes envolvendo humilhações ou situações de violência que cheguem ao seu conhecimento, quer as denúncias tenham partido "das vítimas, das instituições ou dos órgãos de comunicação social". Mariano Gago avisou ainda que, entre os factos que serão encaminhados para a Justiça, incluem-se "os crimes de omissão" cometidos pelas universidades e politécnicos que não actuem quando tiverem conhecimento dos casos.»
in Diário de Notícias

Feira do Livro em Lisboa - quase em directo - este livro dá uma boa prenda !


Maria, que traz um filho dentro da barriga, conta à sua filha a história da sua infância. Uma história simples, de uma criança feliz.
O que torna esta história especial é o facto de Maria ter dois pais: O Pedro e o Paulo.
Este livro não pretende ser um panfleto. Pretende, ao invés, contribuir para que do imaginário infantil faça parte a diversidade dos modos de amar. E, nesse sentido, este é um livro pioneiro em Portugal. Pela primeira vez, a edição nacional de literatura para a infância contempla a diversidade das formas de parentalidade. E fá-lo sem falsos moralismos.
A sua autora, Manuela Bacelar, é já conhecida do público português, nomeadamente das crianças. Ilustradora de renome, é autora e co-autora de algumas das obras incontornáveis de literatura infantil (Os Ovos Misteriosos, Tobias, O Meu Avô, O Dinossauro, Sebastião, Bernardino...), tendo ganho vários prémios nacionais e internacionais.

Pode encontra-lo à venda nas Feiras do Livro:
Porto - Stand G2 - Pavilhão Rosa Mota
Lisboa - Pav. 16 e 38 - Parque Eduardo VII
(ainda tenho lá alguns para vender !)

04 junho 2008

Maio em Marte !


Se sob a calçada, a praia... então:
Sob a superfície, o gelo ...


Uma superfície circular de gelo foi detectada no fundo de uma cratera localizada no pólo norte de Marte.

(é engraçado como já em Junho muitas pessoas, essencialmente políticos, continuam a falar como se estivessem em Abril ou Maio - sinais do tempo !)

Dia Mundial do Ambiente na Casa da Horta


No dia 5 de Junho celebra-se o Dia Mundial do Ambiente. A Casa da Horta em colaboração com o GAIA - Grupo de Acção e Intervenção Ambiental - pretende marcar essa data questionando o modelo de consumo actual capitalista com um filme e debate.
Aqui está o programa de Quinta-Feira, dia 5 de Junho.

21:30 - Filme
Os Respigadores e a Respigadora

SINOPSE
Uma pequena celebração da vida, da acção e da liberdade.
Luis Miguel Oliveira, Público

Um filme onde se contemplam quadros e se abservam pessoas, um filme de encontros e a expressão do amor pela pintura e pelo cinema.
Maria João Madeira, O Independente

É um desses raros pequenos filmes com um grande (infindável) mistério no seu interior. É também, desse ponto de vista e de todos os pontos de vista… um filme completamente feliz, uma grande homenagem - que já não se julgaria possível - à arte e ao cinema.
João Mário Grilo, Visão

A partir de um célebre quadro de Millet, o filme de Agnès Varda é um olhar sobre a persistência na sociedade contemporânea dos respigadores, aqueles que vivem da recuperação de coisas (detritos, sobras) que os outros não querem ou deixam para trás. A respigadora, nesse sentido é Agnès Varda, que experimentando pela primeira vez uma pequena câmara digital, se quer assumir como uma “recuperadora” das imagens que os outros não querem ver nem fazer, e que portanto deixam para trás.

23:00 - Debate
Debate aberto sobre Consumo e Consumismo.

SEQSO na EIRA ....


A melhor festa estudantil do ano, vai viajar para o norte, mais propriamente para o PORTO.
Na próxima sexta-feira, dia 6 de Junho, a partir das 22h30 no Espaço Chã das Eiras, na Rua Chã nº 127 (junto à estação de S. Bento), vai-se realizar, pela segunda vez, a FESTA DO SEQSO.

Com concerto ao vivo, dj convidado e actividades surpresa.
Dia 6 vamos todos beber o "chã" das 22h30 à FESTA DO SEQSO

03 junho 2008

Entre a blogoesfera e a feira do livro... faz-se aqui e faz-se ali...


diz-se que ele costuma andar por aí...
Será que o Ruca também vai ?

ABAIXO-ASSINADO A FAVOR DA ABERTURA DE PÓLO DA CINEMATECA NA CIDADE DO PORTO


"A cidade do Porto sofre de vários e complexos problemas na área da cultura, como é do conhecimento geral. No entanto, esta situação não é generalizável a todo o país. Efectivamente, Lisboa continua a usufruir de forma centralizada dos serviços de certas instituições culturais que deveriam fazer jus ao seu âmbito nacional, como, por exemplo, a Cinemateca Portuguesa, um organismo público suportado pelos contribuintes a nível nacional.
No Porto, é de grande interesse público a criação de uma extensão da Cinemateca, o que permitiria acabar com a carência de exibição cinematográfica sentida na cidade, ao nível da produção anterior à década de 90...."

Assinem em:http://www.petitiononline.com/Circuito/petition.html<
....e passem palavra!

FESTIVAL GRANITOS FOLK - 5ª Edição


O CONTAGIARTE SAI à RUA!
Festival de Música de Raíz Tradicional
12, 13 e 14 de Junho
no Palácio de Cristal - Concha Acústica

12 Junho _ MU Porto 21h30 Amainur Espanha 23h00
13 Junho _ Dazkarieh Lisboa 21h30 Barbarian Pipe Band Itália 23h00
14 Junho _ Zaquelitraques Matosinhos 21h30 Galandum Galundaina Miranda EmBRUN Bélgica 23h00


O Granitos Folk, festival de música tradicional, chega todos os anos no Verão, desde Junho de 2004 como uma mostra de músicas, danças, cantares e festas tradicionais. São as tradições e as raízes "moldadas" pelas novas gerações, a alma de um povo, de uma povoação ou região, a ancestralidade "actual" ... é o Granitos.
Durante três dias o festival vai ser apresentado nos Jardins do Palácio de Cristal e no espaço sede da Acaro - Contagiarte. Três bandas nacionais e três bandas estrangeiras farão o cartaz deste ano, além de várias actividades para-festival, como workshops, feira de artesanato e bailes tradicionais.
A missão deste festival é dar a conhecer e promover o que se faz na música tradicional portuguesa e europeia e formar públicos nesta área.
As quatro edições passadas, foram realizadas no espaço da associação - Contagiarte (espaço de sensibilização, formação e dinâmica culturais). A crescente procura por parte do público nos últimos dois anos, consequência do trabalho de formação de públicos que temos vindo a desenvolver com o projecto Contagiarte, foi um dos grandes motivos que nos levou a querer redimensionar o festival e a levá-lo para um espaço onde nos seja possível receber muito mais espectadores e sensibilizar outros. Outro grande motivo foi o facto de, após contactos pré-estabelecidos, vimos a possibilidade de torná-lo também num festival internacional e proporcionar a troca de experiências e conhecimentos entre artistas e divulgar novos projectos internacionais da música Folk. Pela primeira vez vamos conseguir levar o festival à rua, a um dos sítios mais bonitos da cidade e isso deve-se ao facto da nossa perseverança enquanto agente cultural e à generosidade de todos os que nos apoiam e em nós acreditam.

02 junho 2008

Dia 5 de Junho - Todo@s à LUTA !!!

Contra a homofobia.....


Treze pessoas acabaram detidas durante a parada gay de Moscovo, devido ao ataque de grupos ultranacionalistas e à violência policial. A marcha realizou-se contra a vontade do presidente da Câmara, que tem vetado a iniciativa nos últimos dois anos, apelidando-a de "satânica".
Este ano, a marcha contra a homofobia só obteve autorização para acontecer após a pressão do presidente russo, Dmitriy Medvedev, sobre Yuri Luzhkov, o autarca moscovita que recusara permitir a para por várias vezes nos últimos meses. Desta feita, o município acabou por autorizar a marcha, mas as detenções aconteceram mesmo em frente ao edifício da Câmara Municipal. O motivo invocado pela polícia foi que os manifestantes seguiram um percurso diferente do previsto. Mas as críticas ao autarca, bem visíveis na bandeira gigante que foi retirada aos manifestantes, não deve ter sido alheia à repressão policial.
"Os detidos foram levados para esquadras de polícia nas proximidades, mas após identificação e interrogatórios de rotina foram postos em liberdade", indicou um porta-voz da polícia. Os grupos ultranacionalistas e de extrema-direita russos voltaram também a provocar a manifestação, dando origem a cenas de violência.
Cerca de 200 pessoas acabaram por concentrar-se este domingo na Praça Tverskaya, mas as agências de informação dizem que poderiam ter sido muitas mais se a polícia e as forças anti-motim não tivessem dificultado o acesso ao local.

01 junho 2008

A nova dama de ferro


Manuela Ferreira Leite venceu as directas no PSD, tendo obtido 37,67 por cento dos votos segundo dados oficiais e quando faltam apurar apenas 25 secções. Pedro Passos Coelho e Santana Lopes disputam o segundo lugar taco a taco, com ligeira vantagem para o primeiro, ambos com votações muito próximas dos 30%. A abstenção foi maior do que a esperada: votaram apenas 43% dos militantes com quotas em dia.